E a paternidade…

Tenho falado muito em maternidade, papel da mãe, angústias de mãe, dificulades da mãe moderna…
Mas todo filho tem um pai! E a paternidade, onde fica?
Meu pai sempre foi “Paizão”, daquele que trabalha pra garantir o futuro dos filhos, que é carinhoso e firme. Daquele que ganhava o respeito só pelo olhar. Tenho algumas lembranças muito fortes dele: “Me chama de negão” e nos fazia cócegas ate falarmos “Negão”. “Acorda Maria Bonita, levanta vai fazer o café…” era a nossa música de dormir (e é a música de dormir da Daniela também). Herdei dele alguns traços físicos e um pouco do gênio (nunca discuta com ele, você vai perder a razão com certeza). Lembro de dormir na cama dele antes da minha mãe mudar para nossa casa. Lembro dele cozinhar feijão quando éramos só nóse lembro dele ensinando minha Tia a fzer feijão pela janela! Ele esfregava a barba no nosso pescoço, ficava vermelho, mas era tão difertido (e ainda é, porque a Daniela faz carinho no Vovô só para ganhar cócegas de barba na palma da mão).Quanta lembrança gostosa.
Me peguei pensando na importãncia do meu pai em minha vida e concluí que ele foi importante como minha mãe (por isso não acho o papel da Mãe mais importante que o do Pai). Meus pais sempre fizeram tudo junto no que diz respeito a filhos. Não era responsabilidade de um ou de outro alguma atividade com os filhos.
Sempre passeávamos finais de semana (como era bom almoçar ou jantar em Antonina – bate e volta) e faziámos todos juntos.
E fiquei pensando… Será que a Daniela terá lembranças saudosas da infância dela? Me peguei pensando aqui em casa não dvidimos tarefas com ela, os dois dão banho, os dois dão comida, os dois trocam. E cada um de um jeito especial. enquanto o Pai corre pela casa com as blusas na mão, a Mãe olha torto e ela fica deitadinha esperando terminar. Enquanto o Pai faz avião com a colher, a mãe senta e dá a comida sem brincadeiras, afinal é uma refeição… Mas a mãe, canta, dança Xuxa, ensina a guardar os brinquedos e fala pelos cotovelos. Cada um com sua particularidade.
Que chato seria se pai e mãe fossem iguais!
Mas, voltando ao assunto, tenho muitas lembranças lindas com meu pai espero que a Daniela quando crescer lembre com a mesma emoção das brincadeiras especiais que temos.
Diogo Mainardi escreveu um text sobre O efeito da paternidade para a Revista Veja sobre as férias dos filhos. É hilário…

2 responses to “E a paternidade…

  1. pois é… sempre achei estranho o meu pai colocar a nossa felicidade acima de tudo…

    mas agora sou api tb… começo a entender.

  2. Tarso Marques

    Olá, relembro também bastante momentos de minha infancia com meu Pai..agora que tenho um filho.
    E por falar me dica de leitura de colunista, te recomendo o Ruy Gandra ( http://gandra.wordpress.com/patrio-poder/ ) é algo maravilhoso de tão bom.
    Até mais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s