E mãe sofre…

daniela8
Ontem a Dani voltou da escolinha com uma baita mordida na buchecha. Foi a primeira vez que um coleguinha mordeu ela. Meu coração, na hora que vi o tamanho do roxo, apertou, ficou pequenininho. Ai, como doeu, imaginar o quanto ela sentiu dor, o quanto ela chorou e ficou sentida com aquilo. Ainda mais ela, que é toda carinhosa e dengosa.
Meu lado racional entende que é uma fase, que o coleguinha encontrou na agressividade uma forma de defesa e afirmação entre os coleguinhas. E como toda fase passa!
Mas meu lado MÃE está muito triste, ofendido, magoado. Principalmente por ter afetado a Dani tão sentimentalmente a ponto dela não conseguir dormir a noite, chorar por qualquer coisa e não querer ir para a escola de jeito nenhum. Meu lado MÃE quer ir conversar com a mâe do coleguinha e pedir que as professoras o deixem afastado dela, mas não resolveria o problema. Afinal, a escola tem outras crianças, que seriam as próximas vítimas do mordedor!
E hoje, como ela não queria ficar na escola, dei um tempinho lá com ela. A minha surpresa foi ver que ele novamente bateu nela e depois beliscou e puxou a orelha de uma coleguinha. Ou seja, isso tem se repetido, não só com a Dani.
E agora, o que fazer???? Vou conversar com a professora (que é um amor de pessoa) para tentarmos achar uma solução, porque não quero meu bebê saco de pancada de criança maior.
No meu lugar, o que vocês fariam????

3 responses to “E mãe sofre…

  1. Lu, eu já passei por algo assim, mas foi mais light. A Pipoca já levou mordida de 2 crianças na escola, mas ela não chegou a ficar com trauma, nem quis deixar de ir a escola. Foi algo bem mais leve, mas mesmo assim eu fui falar ocm a professora. E expliquei a ela pra não deixar ninguem morder ou bater nela (jamais falo pra ela revidar) e para, qdo acontecer algo assim, falar imediatamente com a professora. Não sei qual a dimensão da compreensão dela, mas acho que uma hora ela vai acabr entendendo e aprendendo a se defender, sem precisar ser agressiva. Aposto nisso. Experimenta conversar com a Dani, e com a professora tb!
    beijo
    Renata

  2. Acho que conversar com a professora e deixar claro que não será tolerante com a repetição é um bom começo. Já passei por isso com João Marcelo. Mas a outra criança só o mordeu uma vez. A escola precisa estar atenta quando uma criança é mais agressiva. Concordo com Renata, entretanto. Aos poucos, Dani vai aprendendo a se defender e explicar para ela que, se isso voltar a acontecer, ela deve expressar seus sentimentos para o garoto que a mordeu, dizendo que não gostou, que ele não pode fazer isso ajuda também. Acho que ela vai ganhar mais confiança.

    • Chris, o amiguinho que a mordeu não morde mais. Puxa cabelo, puxa orelha, mas morder ele parou!!!! A professora falou que quando ele chega perto dela, ela já se arma (não com objetos), no sentido de ficar atenta para não ser nem apertada, nem mordida. Acho que é uma forma de proteção dela.
      Obrigada pela visita
      Beijos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s