Pelo direito de parir e pela obrigação de se informar…

Hoje completo 20 semanas de gestação, meio caminho percorrido. A pior fase já passou… Ou não! Por que?

Porque estou no Brasil, país onde 70% dos nascimentos são cesáreos. Bem, a pior fase ainda está por vir. Troquei de obstetra e vou buscar outro por desencargo de consciência, na verdade para garantir meu VBAC (vaginal birth after cesarian). Quem ainda está no início da gestação não imagina que a partir do positivo em mãos, deve começar a preparação. E não!!!! Não estou me referindo ao enxoval, estou me referindo ao parto em si. Na minha primeira gestação, eu fazia parte do grupo que acreditava que bebê nenhum podia nascer sem enxoval (jogo de mamadeiras – HAHAHAHA). Como se o protetor de berço fosse desencadear um trabalho de parto.

Acredito, hoje (que fique bem claro), que a natureza nos deu 40 semanas de gestação para nos prepararmos para um TRABALHO de parto. Afinal, é trabalho porque não é simples. E uma das primeiras providências deve ser a busca por um obstetra que preencha todos os desejos da gestante. Se chegar na primeira consulta e ele disser “Acho que você é muito pequena para um parto vaginal.” ou então “Só espero no máximo até 40 semanas, depois encaminho para cesárea.” CORRA! Pode ter certeza que seu rebento agradecerá. Porque antes do trabalho de parto ser um sofrimento, ele é uma ritual de passagem necessário para o bebê e para a mãe. Na minha cesárea tive um tipo de “síndrome do membro fantasma” relativamente comum em mães que tiveram cesárea antes de entrar em TP. Eu sentia os movimentos do bebê em minha barriga, sendo que meu bebê já estava fora dela há mais de seis meses. E isso é triste, vocês não imaginam o quanto. Fora as complicações que já relatei AQUI.

Hoje, uma gestante tem que brigar para poder parir o filho, isso faz com que nosso país se torne mais subdesenvolvido do que qualquer país com um PIB menor que o nosso. Porque as evidências científicas estão aí para quem quiser confirmar, basta se interessar e buscar as informações corretas. E não espere que seu obstetra as dê, ele não vai fazer isso. Isso seria enterrar qualquer possibilidade de poder enrolar a gestante com desculpas tipo “Corre pra cesárea porque já está há mais de 1h30min  em TP e não dilatou.” HAHAHA… Não é exagero meu, algumas celebridades caíram neste conto!

a mensagem que quero deixar neste post é… Não deixe que decidam por você. A gestante é você e seu parto não depende da cor do quarto, da quantidade de brinquedos ou de roupinhas para sair que seu filho terá. O seu parto depende de você e do seu bebê, por isso uma sintonia entre os dois é tão importante. Converse muito com seu bebê, ele sente a sua energia e isso faz bem aos dois. Não deixe que um “Deus de Jaleco” assuma um trabalho que é seu, o TP. Não deixe que esse “Deus de Jaleco” diminua você enquanto mulher dizendo que seu corpo não funciona e que você não será capaz de parir. Não deixe que você seja apenas um joguete dessa sociedade que acredita que a tecnologia está aí para nos servir, e fazer de seu filho um mero marionete dessa tecnologia. Pode ter certeza que se alguma eventualidade acontecer durante sua cesárea, seu médico que sempre disse que era seguro e tal, irá se isentar de qualquer responsabilidade. E o pior, irá lhe tentar convencer você que poderia ter sido pior “Já pensou se fosse parto normal?”.

MULHERES UNIDAS PELO DIREITO DE PARIR!

Beijokas

One response to “Pelo direito de parir e pela obrigação de se informar…

  1. é isso ai, meu proximo parto tb será normal!
    bj

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s